Ser uma boa pessoa…

quarta-feira, 16 de janeiro de 2013

 

irmaozinhos

imagem daqui

 

Ou ser uma pessoa boa?

Afinal, ser boa pessoa ou uma boa pessoa para quem? Para você  ou para os outros?

Essa é a incógnita do momento.

Ser uma boa pessoa para muitos é ser agradável, otimista em qualquer circunstância (até porque ninguém quer ouvir as lamúrias do outro), entender sempre, nunca se estressar, nunca ficar brava, engolir tudo e matar no peito qualquer adversidade sempre com um sorriso no rosto e a expressão satisfeita.

Tudo bem, mas isso é ser boa para quem?

Ninguém consegue ser tudo isso o tempo todo, mas todos exigem isso. Você se poda, deixa de gritar, para de fazer barraco, se especializa em engolir sapos, de tragar toda a ira, de relevar, embora a mágoa pese e a impotência tome conta. E isso te faz melhor aos olhos alheios, mais madura, mas experiente, mais …

Eu pergunto: Isso pode ser bom para os outros, mas para você?

Estudos apontam que as doenças auto-imunes, e outros tantos males da sociedade contemporânea, são desenvolvidas a partir de situações de estresse onde não expressamos ou trabalhamos corretamente as emoções, situações mal resolvidas que ficam relegadas pelas circunstâncias, mas que depois de um tempo cobram seu preço.

Será que vale a pena manter a imagem a custa da saúde? Como conciliar as emoções e o ambiente? Como viver bem e ser uma boa pessoa?

A Medicina Tradicional Chinesa nos mostra claramente a relação entre doenças e as emoções. Vale a pena ler a respeito e revisar seu comportamento. Afinal saúde é o que interessa!

Claro que você não vai se engalfinhar a todo o momento, gritar por qualquer coisa, reivindicar direitos que não possue. O bom senso e a inteligência emocional devem ser trabalhadas para evitar que o seu corpo sinta todas as emoções que você, em nome de uma boa imagem, insiste em reprimir.

11 comentários:

Lúcia Soares postou o comentário de número:

Exatamente isso, Cissa. Controlar demais as emoções acaba afetando a saúde física. Sei disso, já fiz até terapia por causa de uma colite que nada nem ninguém curava, anos de dor, cólicas, diarréia, enjoos, até meu médico me direcionar para um psicanalista. Foi tiro e queda. Curei-me da colite, mas tenho desconfortos intestinais até hoje, basta ficar nervosa, ansiosa, preocupada.
Não podemos ser o que os outros querem. Podemos mudar muita coisa em nós, mas porque queremos. Porque será bom pra nós, em primeiro lugar. Por consequência, as pessoas à nossa volta se beneficiam.
Beijo! (estou acompanhando sua determinação na dieta, será uma vencedora!)

Márcia Balz postou o comentário de número:

Teu post obrigatoriamente me levou a pensar. Como eu sou? Quem as pessoas pensam que sou? E quem eu realmente sou.
Na verdade não há uma única e definitiva resposta.Somos vários durante o dia.
Interagimos de forma diferente com diferentes pessoas. Tocamos e somos tocados por vários estímulos diferentes.
Somos únicos e múltiplos. Então não definir-me como uma pessoa boa ou boa pessoa.
A única certeza que tenho é que sou muito honesta comigo, não me machuco, cuido prá não machucar ninguém e não deixo me machucarem. Enfim quem me faz bem terá o melhor de mim os que não, não tem nada. Nem raiva.

Cíntia postou o comentário de número:

Gostei muito desse texto Cissa.Eu reprimia muito minhas emoções anos atrás, já engoli muitos sapos,mas agora cansei!!Sou bem mais feliz hoje,exprimindo meus sentimentos sem me preocupar com a visão alheia.
Beijokasss

Cris postou o comentário de número:

oi, Cissa!

Sabe o que acontece? Hoje em dia tudo é em prol do 'politicamente correto', ou seja, reclamar é falta de educação, reivindicar direitos tb, dizer que não gosta ofende, e dizer a verdade ofende ainda mais!
Eu sempre fui bem direta, se gosto digo, se não gosto tb...a fama de "grossa" dura até hoje. As pessoas preferem ouvir uma mentira dita de qualquer maneira e ter a verdade dita de forma gentil,mas a verdade.

E se a gente se cala quando sente vontade de falar, faz mal a todo o nosso corpo e mente. Dá cancer.

Tive que dar meu jeito: eu realmente me mantenho fria, tanto faz como tanto fez o que boa parte das pessoas faz ou pensa. Me importo mesmo é com minha família, meus amigos de verdade e algumas pessoas que nem ao menos conheço pessoalmente(é o caso da net) mas o entendimento é tão bom que a amizade foi se solidificando com o tempo e posso dizer que são amigas também; com essas eu me importo, tenho liberdade de conversar e de me preocupar com elas.

Com as outras limito-me a só responder se me perguntarem, só dar opinião se me pedirem....pois elas sabem que com certeza vão ouvir minha opinião absolutamente sincera, doa a quem doer, então, se querem minhas opiniões devem estar preparadas pra ouvi-las.

Difícil, né? kkkkk...mas tem funcionado assim faz anos, foi meu jeito de resolver as coisas, não me estresso.

Ah, e quando as pessoas vão "lidar' comigo sabem que tem que ser tudo certinho, tem que agir comigo do mesmo jeito que eu agiria com elas senão....o caldo entorna e faço jus à minha fama de grossa.

Ótimo post, serve pra muita gente que conheço.

Beijos!

Lílian Almeida postou o comentário de número:

Oi Cissa,vc. tocou em pontos cruciais, e concordo com muitos dos seus pontos de vista, realmente queremos ser bons, até mesmo pra ser bem falados,mas isto não ocorre sem ônus, muitas vezes é a saúde que paga a conta.
Encontrar o equilibrio é o segredo.
Tenha um dia abençoado !
Beijocas.
Lilian – Blog:♥Duas Moças Prendadas!
casascoisaseoutros.blogspot.com.br/

Palavras Vagabundas postou o comentário de número:

Cissa, eu acho que sou uma pessoa boa, no geral. Não engulo sapo facilmente, a razão para engoli-los tem que ser muuuito boa. Minhas assistentes dizem que sou fofa até o primeiro palavrão, daí sai debaixo! Era piada na minha sala: vem problema! As assistentes: - Ela já começou a xingar! Muita gente saiu de fininho, kkkk
Eu acredto na relação doençaXemoção, até porque tenho psoríase uma doença ligada totalmente ao emocional, tive que aprender a administrar já que não tem cura.
Realmente não sei se sou uma pessoa boa, mas aos 58 anos pouco me importa se não me acharem "fofa". Essa percepção me fez uma pessoa melhor, inclusive comigo mesma.
beijão
Jussara

Luci Hora postou o comentário de número:

Eita que agora deu um nó na cabeça! Fiquei bem confusa, viu? Espero estar fazendo a coisa certa!

Sandra postou o comentário de número:

Oi Cintia!

Rapaz isso é mesmo um dilema e eu vou falar um pouco de como eu sou, se me permite.

Meu estômago e eu sabemos bem o que acontece quando você vive engolindo sapos, já tive problemas sérios de saúde por ficar nervosa.

Hoje as coisas melhoraram. Aprendi a escolher minhas batalhas, não deixo mais situações corriqueiras me abalarem. Sou daquelas quietinhas, não encho o saco de ninguém mas se tiver que ficar brava aí o bicho pega. Acho que cada pessoa tem seu jeito, aprendi muito isso no trabalho, com pessoas vindas de todos os cantos do país. Tem os legais, tem os chatos, os calmos, os nervosos, os explosivos, os sem noção... é assim desde a escola, não é não?? O lance é aceitar as diferenças e, se tiver coisa errada, injustiça é falar mesmo porque se for algo que você não vai deixar passar, vai ficar remoendo por dentro, então tem que colocar pra fora. Pro bem comum.

E a saúde, como está? Continua se cuidando.

Beijos!

Luciana. postou o comentário de número:

Eu ainda tenho que trabalhar muito isso... sou muito calma e tranquila... até demais... pra me tirar do sério é preciso muita coisa... mas também aí... sai de baixo...
Também sou daquelas que tem reações retardadas... depois que acontece... eu penso: porque não falei isso ou aquilo... porque não reagi... preciso de muita terapia... ui !!
Bjos, Lú.

chinanaminhavida.com postou o comentário de número:

Oi Cissa, realmente eu acredito nisso e tive uma experiencia propria para comprovar. Mas na época o que me sustentou e explicou essa influencia entre saude emocional e saude fisica foi a medicina psicossomática. Tudo tem relação. e quando passamos por estress muito grande, perdas, situações dificeis nosso corpo, que é uma máquina, aguenta o tranco e responde. Mas qdo tudo se estabiliza, aí ele fala: ok, amigo, já te aguentei, agora dá licença qe também sou filho de DEus. rs
E assim aparecem as 'ites' todas e até o cancer.
Quanto ao chines e a TCM, bom... apesar de admirar e acreditar nela, de zen esse povo só tem a fama. hahahaha.
Beijo

Rafael Rafael Da Silva postou o comentário de número:

eu acho que nós devemos fazer o máximo para não causa atrito com as pessoas, eu aguento tudo calado! quando tenho raiva procuro fazer algo que me faça bem, por exemplo desconto minha raiva no boxe, também vejo que não vale a pena levar a fundo tudo que dizem a meu respeito, eu estou com DEUS! pode ficar bem pior se você escutar tudo que falam de vc!

Você co
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...