Para dizer o que sinto...

quarta-feira, 27 de julho de 2011



Três anos depois as coisas estão bem e acredito que, grande parte disso, é graças a sua intervenção. Mas lhe digo,  não foi fácil.

Me desfiz de todas as coisas que me lembravam o momento terrível em que recebi a notícia pela Mi. Sim, foi ela que me ligou,  mas ao contrário do que era esperado, não teve escândalo, não teve gritaria, ela apenas disse meu nome e começou a chorar. Na hora me desesperei, não sabia o que fazer, não acreditava  ser possível você ter nos deixado. Estava sozinha, todos dormiam e acordaram atordoados com meu desespero. Queria tanto seu abraço naquela noite... Queria tanto o abraço de alguém...

Porém, erroneamente,  entendi que tudo dependia de mim, era eu quem tinha que dar suporte. Ingenuidade, eu sei, mas na hora pensei que era o que você esperaria de mim. Lembro que acordei o Tiago, fiz as malas e acordei o Felipe. Ele de certa forma, na sabedoria de seus 4 anos já sabia.

Mas como explicar ao pequeno que venerava você que chegara a hora da despedida?

Engoli as lágrimas, me desfiz do desespero e disse a ele que iríamos ver você, e que como todo o herói que cumpriu sua missão, você iria estar numa cápsula e iria encontrar alguém muito especial e que a partir daquele momento estaria conosco em um lugar privilegiado. Na hora ele concluiu que você se tornara um anjo!

Recordo que ao chegarmos onde todos prestavam as últimas homenagens a você,  numa noite congelante de inverno, ele fez questão de colocar o judogui e entrar para fazer o cumprimento do judô para que você não fosse embora sem  ter visto. Ele subiu em uma cadeira, fez o cumprimento e depois saiu. Todos se desesperaram, porém ele ficou feliz, pois pode lhe mostrar o quanto especial era.

Incompreensível saber como o menino que não parava quieto e nunca na vida havia dormido durante o dia, adormeceu nos braços de todos durante a cerimônia.  Incompreensível entender como ele chegou em casa e foi juntando coisas e dizendo que era o pequeno tesouro que  você havia deixado para ele. Hoje, se abrirmos o armário, em uma caixa em formato de coração, encontraremos uma lupa, uma pirâmide, uma agenda eletrônica, um chaveiro com sua foto, uma foto com você, a vó Niqua e ele sentados no sofá, aí em Porto Alegre, no último inverno em que estivemos juntos, uma gravata e uma boina. Volta e meia o encontro brincando com esses tesouros.

Ele está crescendo... Cresce com a lembrança de que teve você que o adorava. Cresce com a lembrança de quem o ensinou a pescar usando garrafa pet como peixe, uma pessoa que o amava,  que se preocupava, que  brincava e que o fazia rir somente cantando parabéns a você.

Infelizmente, não aprendemos com o Felipe como lidar com tudo isso. Ainda choramos, indagamos, nos revoltamos e nos vitimamos, mas crescemos com isso. A dor fortalece...

Sei que sempre teve orgulho de mim, assim como sempre me orgulhei de você, nunca deixei em nenhum momento de dizer que o amava, porém sinto falta de ouvir sua voz ao telefone.

Volta e meia, sentimentos antagônicos me invadem ao ligar para casa e reconhecer na voz do Rickson a sua. Falando nisso, sei que tinha orgulho dele, e tenho certeza que estaria muito mais orgulhoso agora, seu filho é justo, honesto, trabalhador e assumiu o cuidado com a família assim como você sempre fez. Ele me liga semanalmente acredita??? E conversa!!! Mesmo sendo a mais velha, foi ele quem ligou hoje para conversar, e sei, para ver como estávamos enfrentando esse momento.

Só escrevo isso pois preciso me manifestar nessa data de alguma forma, preciso escrever e demonstrar o quanto, todos nós, nos miramos no seu exemplo, o quanto ainda trabalhamos e nos dedicamos para sermos felizes e fonte de orgulho, para honrar seu nome e seu legado, não de dinheiro, porque isso nunca tivemos, mas também isso nunca foi empecilho para sermos felizes, mas no que você foi e o que sempre representou em nossa vidas.

Te amamos muito! Eternamente!


36 comentários:

Iara postou o comentário de número:

Amiga linda, poucas vezes fico sem ter o que dizer, este é um momento.
Então, te sinta abraçada por mim, sinta teus cabelos acariciados, sinta um abraço forte daqueles que passam energia, força, esperança e carinho, muito carinho.
Sei o quanto é triste perder alguém que amamos, sei quanto tempo leva para essa ferida cicatrizar.
Mas amiga, seja onde for, teu pai hoje se orgulha muito de ti.
E tu amiga deves lembrar disso e usar isto como consolo sempre.
A saudade aos poucos vai abrandando, em alguns dias será mais forte, mas ficará em teu coração sempre o que mais importa, o amor que vocês sentiam um pelo outro.
Fica bem amiga e conta comigo.
Um abraço daqueles longos e carinhosos.
Beijos

Fernanda postou o comentário de número:

Sabe, não tem como escrever, chorando como uma condenada neh? Mas vamos lá...Amiga, o Felipe, sem duvida foi a chave, pra que tudo fosse como foi, da forma mais "tranquila" possivel. Eles cuidam de tudo né?

Graças a Deus, tivemos isso...foi muito importante.

Saiba que amo você, é um presente que recebo nesses ultimos meses, que vou cuidar sempre.Obrigada por existir na minha vida louca...

Fe

Marina Mott postou o comentário de número:

Difícil dizer qualquer coisa. De uma forma ou de outra acho que cada pessoa sabe ou irá saber o que é essa dor; e um dia ou outro, aprende com o Felipe (de cada um) a lidar com a perda. Um beijo grande.

✿ chica postou o comentário de número:

Que emocionante relato esse.

Imagino o quanto deve ter sido duro e as relíquias ficarão pra sempre... Um beijo, continua forte e bem,chica

Luci Cardinelli postou o comentário de número:

Cissa, os anos passam e a saudade parece crescer. O bom disso é que a saudade é porque valeu a pena, porque fomos amadas e amamos e vivemos tantos momentos bons.
Um abraço carinhoso.

Simone Aline postou o comentário de número:

Nossa Cissa, que texto emocionante... Dá pra sentir em suas palavras a dor da saudade e o amor que tudo supera, tudo suporta... E isso é o mais importante da vida! Que Deus a conforte sempre que a sua saudade se fizer ainda mais intensa!
Grande beijo!
Si

Ana Paula Santiago (inventandocasa.blogspot.com) postou o comentário de número:

Chorei, chorei, chorei muito.
Sabe, vc me fez parar para pensar. Eu convivo com o amor do pai da minha infância. Não consigui aceitá-lo ainda doente. Isso é triste, muito triste. Quando ele não faz o que acho correto, eu finjo não ver, para maá-lo igual. Sinceramente, não sei o que fazer. Tenho medo, de um dia perdê-lo, sem ter o amado como meecia. Eu digo que o amo,a ele, mas não tolere atitudes suas que não sei até onde vem do caráter ou da doença, sabe?
... Lindo post, imagino vc o escrevendo e sentindo-o, e sofrendo de saudade.
Teu pai só tem motivos para se orgulhar de vc, minha amiga. Poucas vezes na vida, encontrei carater como o teu. Digo e repito: somos muito parecidas, a diferença é a intelência, porque se tu é a Santa e a Fê a doida, comigo é assim: tu é a inteligente e eu, ah, eu... sou a tonta... rsrsrs

Um beijo, um abraço bem apertadinho. Podia ser capaz da intenetpropiciar isso, né?
Queria muito te dar um abraço hj. Queria te dar colo e pedir tb. Hj eu queria morar morar em Sinop.

Caeacasa - Cá Pires postou o comentário de número:

Oi, Cissa
Bela mensagem ao seu pai. E Felipe é surpreendente mesmo.
Me lembro de você contar como foi difícil receber a notícia e lidar com a situação. Mas escrever, falar... são formas de elaborar, ressignificar, enfim, lidar com o que aconteceu. E você fez isso com uma simplicidade e maturidade incríveis hoje. Parabéns, querida.
Força e luz para você e a sua família!

Luciana Nepomuceno postou o comentário de número:

Cissa, vim agradecer sua visita e me deparo com um texto tão lindo, tão tocante e comovente. Obrigada.

Ah, caso queira escrever sobre o tempo, o Borboletas é casa aberta, adoraria publicar.

Um beijo

PS. A Jussara é o máximo, né?

Nathália (Ná) postou o comentário de número:

Cissa me emocionei muito lendo suas palavras, é dificil dizer alguma coisa... A lembrança nunca se apaga, apenas a saudade ameniza, mesmo em certos dias ela sendo mais forte. Minha querida sinta-se abraçada e acarinhada.

samantha prata postou o comentário de número:

é amiga,sei bem como é perder alguem que gostamos..perdi meu pai ainda menina e ele sempre me fez muita falta,mesmo hj, depois de 18 anos ainda choro por ele...mas a vida é assim...ontem tb foi um dia de lembranças pra mim,minha vó faleceu no dia 27,fez um ano,ainda dói demais,pois ela morava comigo e era eu quem cuidavaa dela...não é facil,mas temos que ter forças pra continuar...bjs

Mania D' Marie postou o comentário de número:

Estou sem palavras e com uma vontade louca de chorar,mais não fique triste,Jesus está voltando e vcs vão se vê novamente e tudo ficará bem.Cheiro!

Lígia Mendonça postou o comentário de número:

Caramba, Cissa, que psot incrível! Me emocionei lendo essas palavras... muito lindo!
Obrigad apela visita e recadinho no blog! Realmente, nunca me imaginei apaixonada por bonecas a essa altura do campeonato, hehehe, mas como sua amiga diz "não são bonecas, são Tildas"!!! rsrs
Volta sempre, tá?!
Bjos

janeladesonho.blogspot postou o comentário de número:

Cissa ...

que Deus te abrace , e tbm a sua familia , quando as pessoas que amamos , fazem essa passagem que muitos chamam de morte , e que sabemos que Deus nos criou seres eternos , ainda asimm , na certeza do reencontro , a saudade a dor da palavra que não foi dita , e a dor da palavra que foi dita , nos torna um concha vazia . Ma o amor , etreno , e forte que nos une uns aos outros preenche com a saudade , e com a esperança de que Ele nos reunirá outras vezes . Sinta-se abraçada , e com as nossas vibrações de amizade e carinho ... que nós consigamos tocar e aquecer o seu corção . bjo

Edlena Franklin postou o comentário de número:

Querida Cíntia, sinta-se abraçada fortemente e por mais que eu não consiga proferir palavras de efeito, saiba que meu coração reverbera sua dor e busca o alívio na saudade boa, na certeza de um reencontro futuro... Que a união de todos possa trazer à tona as boas lembranças e a alegria de viver.
Beijos

Bel Rech postou o comentário de número:

Em cada linha traçada, uma lágrima..
Paz e bem

Ana Maria ( Jeito de Casa ) postou o comentário de número:

oi Cintia

Amigam seu relato é emocionante!!!
que bom que tivestes um pai tão querido, que você tanto!!!!!!
lindo, lindo... quem sabe o que se passa no coraçãozinho do seu filho?
fiquei emocionada. mas acredito que viver tudo isso é muito bom, essa dor é sinal de muito amor!!!!!!!!!!

grande bjooo no seu coração!

Joana Abreu postou o comentário de número:

Muito, muito lindo!
Estou muito emocionada. Vem de dentro, do fundo do coração.
Meu pai está doente e fico pensando quando chegar esse momento...
Beijinhos

Palavras Vagabundas postou o comentário de número:

Cintia,
chorei muito... minha neta também fez como o Felipe, puxou uma cadeira e se despediu do avô com palavras simples, que me deixam em prantos até hoje.
bjs carinhosos
Jussara

Deusa postou o comentário de número:

Então depois de ler esta carta tão linda,terna,cheia de amor,eu também tenho algo a dizer para esta pessoa tão importante na sua vida e de sua familia...
PARABÉNS,VOCÊ SOUBE DEIXAR MUITO MAIS QUE SAUDADE,VOCÊ DEIXOU EXEMPLOS...PARABÉNS..VOCÊ CUMPRIU COM HONRAS SUA MISSÃO..
E a você Cintia,o queposso dizer e a mesma coisa...Parabéns,você teve a grande honra de viver ao lado desta pessoa tão especial,não foi uma despedida do SER,foi uma despedida do corpo,quando for o tempo certo,vocês se reencontrarào,então na hora da dor da saudade,pense em como sera lindo este encontro.Fique com Deus.
vasinhos coloridos

Adriana postou o comentário de número:

CÍNTIA, tô aqui só pensando... e não sei o que dizer... sinto tanto!!! Tuas palavras me emocionaram muuuito! Força, amiga. O tempo ensina a gente a viver. Vc é uma pessoa bem humorada, feliz!!! E passa isso pra gente, sabia??? A cada ano essa dor vai ser diferente, não menor. E vc vai conviver com ela, de maneira menos dolorosa. Eu acrdito na sua força e bom astral com que leva a vida!!!

beijosssss

Casa Corpo e Cia: O jeito mulherzinha de ser. postou o comentário de número:

Olhos cheios de lágrimas... Pelas suas palavras e por imaginar que um dia terei que passar por isso também... não é concebível para mim...
=(


Ah não peça desculpas não, eu também faço isso Cissa! hahah! Tem comentários que ficam as vezes mais de uma semana aguardando moderação, mas eu só modero quando posso consigo responder. Acho ótimo este método e a gente se organiza mais...Não é em todo post, tem matéria que publico e já vou logo lendo e moderando, porque sei que não vou conseguir visitar ninguém naquela semana, mas quando posso, respondo a todos.
Beijos e boa tarde.

Faniquito postou o comentário de número:

Ai não tem o q dizer e tampouco palavras que possam traduzir o q é perder quem se ama.Meu abraço bem forte (adoro abraço:) daqueles de esmagar ossinhos, sabe assim?!?

Na vida passamos por muitos problemas mas são fases e ...passam.Mas essa dor...essa não passa , nunca !!! Pelo contrário, o tempo faz aumentar a saudade q se sente.Taí, um assunto que mexe muito comigo.

Beijinhos

Ana

Lola postou o comentário de número:

Que bom que vc conviveste tempo o suficiente para que seu filhote pudesse ter o avô como ídolo! Que felicidade é pensar que, apesar de tão pequeno, ele lembrará desse "herói" pra sempre!
Queria tanto que meus filhos tivessem conhecido meu pai...enfim, cada um com a sua saudade não é minha amiga?

Bjs

Pepa postou o comentário de número:

Cissa, que lindo !!
Não tenho palavras, só dizer que esta dor é palpável, e sei o quanto !!

Bjus 1000

Sandra postou o comentário de número:

Ai Cintia, deu um nó na garganta lendo seu texto, muito bonita a homenagem.

Força, querida.

Fabiana Tardochi postou o comentário de número:

Oi linda!
Estou sem palavras, emocionada e chorando para variar, já passei por isso também e eu era muito nova...são 20 anos de ausência e a saudades é imensa mesmo com o passar dos anos.
Fiquei muito tempo revoltada por meu pai ter se tornado um anjo com apenas 39 anos...
Foi difícil! Mas a vida é assim...o que ficam são as lembranças e que bom que elas existem...
Um beijo e um ótimo final se semana

MEIREANDAK postou o comentário de número:

oi cissa,sempre dou uma passadinha por aqui mas nunca comentei,mas as suas palavrashoje me chamou para 13 anos atras sim eu chorei,chorei porque eu senti de novo a dorde perder alguem tão importante,por sentir que que espelho de nossas vidas pode se quebrar e é muito dificil de juntar os caquinhos para continuar-mos,mas lhe digo aos poucos conseguimos,não como era antes porque fica a saudade mas fica também os bons momentos o carinho o amor os encinamentos que jamais esquecemos.eu perdi omeu pai faltando menos de 1 mes para meu casamento,eu levaria ele na manhã seguinte para expirementar o terno que usaria para entrar comigo na igreja não deu tempo teve um infarto naquela noite e fui eu a primeira a ve-lo passando mal não pude fazer nada ,era a sua hora deus quis assim chorei ate não ter mais lagrimas,mas o deus nos deu força sofremos mas ainda nos resta as lembranças e aos poucos superamos a dor mas nunca a saudade, fique com deus querida que ele conforte o seu coração e todos que estão sentindo a alsencia do seu pai beijos

KINHA postou o comentário de número:

Olá Cissa

Eu sou Kinha do blog AMIGA DA MODA e vim conhecê-la.
Seu blog é lindo e interessante e por isto já estou te seguindo. Vou aguardar a sua visita e ficarei feliz se me seguir também.
Quer ganhar uma Joia? A designer Eliana Colognese criou um belíssimo anel e gostaríamos muito de contar com a sua participação.

Bjooooooooooo...................
http://amigadamoda.blogspot.com

Celina Dutra postou o comentário de número:

Cissa,

Deixar partir em paz quem a gente ama é saudade que dói, dói muito! Mas é também uma saudade feliz porque é saudade com a certeza de que amamos e fomos amados.

Fica bem!

Girassóis nos seus dias!
Beijos

Monica Morris postou o comentário de número:

as lagrimas correram no meu rosto mesmo sem conhecer vc pessoalmente pois aconteceu comigo e também fiz uma caixinha de tesourinhos que aidna hoje tenho
a gente fica sem saber oq ue dizer
um beijooo
Monica

Priscila postou o comentário de número:

Amiga querida, as lágrimas não deixam que eu pense no que dizer. A homenagem que você resolveu fazer pra ele já diz tudo. Te mando um abraço e tbm tenho certeza que ele está de lá adorando ser lembrado.

Adelaide Araçai postou o comentário de número:

Amiga, essa dor de saudade imensa, não desaparece, mas creia ela se torna suportável, desejo a você muita paz e muita serenidade para apoiar-se em suas lembranças felizes, pois são elas que farão amenizar a dor e a saudade.

Muita luz e paz
Abraços

Mara Lucia Bechara postou o comentário de número:

Crianças são sabias,aceitam mais tranquilamente que nos adultos!!Cintia foi um texto lido e comovente ,que nos faz identificar com sua dor e saudades....quem de nos não perdeu um ente querido,guardo as encharpes da minha mãe porque tem o perfume dela,de meu pai tem horas que o escuto falando comigo..,
Bem amiga estou com os olhos marejados..
bbjjss
Meu Cachixo

*~* Coisas da Bruxinha *~* postou o comentário de número:

Cintia, só estou lendo esse post agora, sinto muito por vc, a perda de uma pessoa querida sempre nos deixa pensando em como seria conosco e sei que um dia vou passar por isso tb. Queria poder te abraçar e te deixar meu carinho nessa hora!!


bjs
Leila

Você co
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...