Falando gauchês em Sinop...

quinta-feira, 8 de abril de 2010


Desde que cheguei a Sinop, vez ou outra, enfrento situações engraçadas ou embaraçosas em virtude dos termos regionais que trago do Rio Grande do Sul.

No começo, ia ao mercado e pedia educadamente os cacetinhos. Na mesma hora o povo caia na risada, sem falar naquelas senhoras mais recatadas que achavam que eu estava falando alguma sacanagem.
E foi assim  durante esses 10 anos:
Por favor, gostaria de 06 cacetinhos, quer dizer... 06 pães pequenos (porque me  recuso a chamar cacetinho de pão francês).


Por favor, um quilo de  chuleta, digo, bisteca.


Moço, eu queria um mondongo bem limpinho... Como é o nome mesmo? Ó Tiago, vem aqui me ajudar a pedir o mondongo pro moço, fazendo o favor.

Mas depois de incorporar a carne moída (guisado), o acém (agulha), o estêncil (matriz), o sulfite (ofício), e me acostumar a ouvir expressões do tipo: “Vamos banhar"ou ainda “Posso ponhá aqui”, achei que não tinha mais problemas com a comunicação.
Eis que entro numa loja de aviamentos (armarinho) e peço para ver os tecidos pet–poá. A atendente me olha desconfiada e pede para eu repetir. Repito o pedido, e ela, logo depois, diz que não tem, embora eu estivesse vendo os tecidos exatamente como eu procurava!!! Tudo bem, expliquei que queria tecidos com bolinhas e ficou tudo resolvido.

Resolvi prosseguir com as compras e solicitei, educadamente, mas muito educadamente,  4 metros de broderi.

Essa moça me olhou com uma cara de pânico e me disse que não tinha nada disso ali. Recorri à memória para lembrar outro termo e então solicitei 4 metros de bordado inglês. A atendente já sem paciência me respondeu em alto e bom tom: 
“Não, não tem. Não trabalhamos com produtos importados."

Fui embora  rindo da situação e feliz, afinal de contas, viva a diversidade e a regionalidade!

P.S:  Se alguém descobrir o termo regional, por favor, me avise.

Cintia Branco

3 comentários:

Anônimo postou o comentário de número:

Quem brota como água do oco da terra, quem é como grama de forquilha, se faz que nem pingo bagual que se encilha, cerca o touro e fica babando em cima! Não chora china véia, não chora, enconsta tua cabecinha no meu ombro, que este bagual véio te consola!

O "Guasca"!

Anônimo postou o comentário de número:

Pois olha, tem mais coisa que é diferente:

Digo duas...

Contra-cheque aqui é Holerite!

Eles não bebem em guampa (corno)... usam na cabeça!

O "Guasca"

Drinha... postou o comentário de número:

kkkkk
é cada uma!!!! Imagino sua cara rindo da tal atendente!!!!

Você co
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...