Organizando o caos

sexta-feira, 19 de março de 2010

Tenho pouquíssimas habilidades , tão poucas que posso contá-las nos dedos de uma das mãos.

Não sou uma ótima bordadeira, não sei costurar, não sei pintar, tricoto mal e parcamente, mas... sou metida. Característica essas que serve para eu me achar boa o bastante para tentar fazer de tudo um pouco. 

Essas atividades manuais, artesanais, deveriam proporcionar certa tranqüilidade à pessoa que a executa, porém isso não funciona comigo. A cada coisa que me meto a fazer é um estresse maior, porque tento compensar a falta de habilidade com meu excesso de perfeccionismo, então: dor de cabeça garantida!

A cada nova aventura, geralmente nas férias, um gasto considerável e uma frustração tremenda. 

O Mestre Branco e azul até já contabiliza algumas horas perdidas em lojas de aviamentos, porque alguém tem que me dar opinião ou pelo menos segurar o Filho com DNA Alienígena para não por a loja abaixo.


Mas enfim, o resultado geralmente é uma bagunça tremenda, fitas, ilhós, linhas, pedrinhas, uma tristeza.

Então resolvi, nas últimas férias, procurar soluções para organizar meus materiais de artesanato. Como se fosse possível organizar o caos...

Procurei na internet soluções para guardar fitas de cetim, porque sempre sobra alguma coisa e se não for bem guardadinha, marca tudo. Encontrei umas caixas de papelão para guardar fitas. Ok, maravilha! Mãos a obra.

Depois de ir a todas as papelarias atrás das caixas do tamanho certo e não encontrar, lembrei de uma loja especializada em caixas na cidade, que me foi indicada, há algum tempo, pela Filósofa dos Esportes.

Comprei quatro caixas e fui atrás dos ilhós. 

Porém ninguém na cidade coloca ilhós em caixas de papelão. (???) 

O por quê, eu não sei. Mas deve ter algum tipo de maldição para aqueles que ousam utilizar o aparelho de colocar os ilhos em materiais menos nobres,  como papelão. Só pode ser isso, porque não tem mais nenhuma explicação plausivel. A não ser que... 

Será que as pessoas tem medo de fazer algo que não estão acostumadas,   porque perguntei às pessoas que solicitei o serviço e o diálogo foi sempre o mesmo:

- "Mas não dá por quê? Estraga o aparelho? Estraga a caixa?

E a resposta :

- "Olha, eu não sei. Nunca fiz isso. Não sei como fazer! "

- "Mas quem sabe a gente tenta?"

- "Deus-u-livre, onde já se viu colocar ilhos em caixa de papelão. Ilhós se coloca em cortinas, bolsas, coisas desse tipo. Não dá!"


Resultado, mandei as caixas para Porto Alegre, para a minha Véinha resolver o problema. E aqui vão os modelos das caixas para ela poder fazer. 

Beijos mãe, você vale ouro!!! Manda depois uma para mim de volta, ok?
Beijos  Cunhada Xumiguinha!!! Obrigada por mostrar para a Vénha!



 De madeira.


 Minha inspiração!



 Muito prática essa idéia. Adorei!




Cintia Branco

5 comentários:

Anônimo postou o comentário de número:

Muito bom, parabéns !!

Abraços a todos.

P.S.: O plural de ilhós é ilhoses.

Rickson Lopes

Fer postou o comentário de número:

kkkkkkkkkkk
eu tenho o mesmo problema com trabalhos artesanais... vontade até que não falta, mas paciência.
Sei alguns pontos de croche e até estou pensando em pintar (fazer um curso de pintura de alguma coisa, ainda estou no periodo de análise)...
As caixas estão lindas e mt práticas!!
Bjus

Anônimo postou o comentário de número:

Amei a ideia das caixas.

Deise

Brigit Candles postou o comentário de número:

Que ótima ideia, vou fazer tb. Esta semana estava à cata de latas de biscoitos pra por minhas fitas todas de uma vez...achei e pus...mas ficou tudo bagunçado lá dentro do mesmo jeito. É que na hora de fazer os livros reviro tudo até achar a cor que quero, conclusão: fica tudo embaralhado!
Adorei!
bjus

Drinha... postou o comentário de número:

Hummmmm

Eu tb não tenho nenhuma habilidade mas com o blog na ativa, sinto tanta vontade de aprender coisas novas!!!!
Gostei muito das caixinhas!!!!

Você co
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...